(Monday 20th of February 2017)
Base de dados de ADN só tem 6000 perfis de condenados. Devia ter 42.000

A base de dados genética foi criada há sete anos. Se todos os arguidos condenados a mais de três anos de prisão constassem da plataforma esta já teria 42 000 amostras de perfis. Mas tem apenas 6000. (Read more)

Username
Password
Contradição legal dificulta testes de ADN a suspeitos
Monday 22nd of March 2010
Author: Nelson Morais
Published in: Jornal de Notícias

A nova base de dados de ADN está a gerar dúvidas entre investigadores. Há quem não saiba se pode continuar submeter meros suspeitos de crime a testes genéticos. O Código de Processo Penal permite fazê-lo, mas a lei que instituiu a base de dados não.

“É um presente envenenado”, desabafou uma procuradora, num debate do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, a semana passada, em Anadia, ao referir-se à lei que fixa os princípios da criação e manutenção da base de dados de perfis genéticos, para efeitos de identificação civil e investigação criminal.

Este diploma (Lei nº 5/2008), cujos efeitos começam agora a fazer-se sentir, porque a base de dados só começou a funcionar há um mês, determina que a colheita de amostras de ADN em investigações criminais apenas pode ser feita em arguidos, a pedido destes ou por ordem de um juiz. Já o Código de Processo Penal (CPP), aprovado em 2007, também permite fazer aquele tipo de testes (artigos 171 e 172) em indivíduos que só têm estatuto processual de suspeito, bastando para tanto a decisão de um procurador do MP

“Até que ponto a lei [da base de dados] veio limitar a investigação criminal? “, questionou, em Anadia, o próprio presidente do Conselho de Fiscalização da Base de Dados de perfis de ADN, o juiz conselheiro Simas Santos. As opiniões dividem-se.

Alguns magistrados assumem que a Lei é “restritiva” do que permite o CPP. São da opinião, contrária aos seus interesses, de que aquele diploma regula tudo o que tem que ver com recolha de amostras de ADN e, nesse sentido, não é mais possível submeter suspeitos não arguidos a esse tipo de testes. “Não há margem para colher amostras de pessoas que não tenham o estatuto de arguido”, afirmou também, no debate referido, o director do Laboratório de Polícia Científica, Carlos Farinha

Já o Instituto Nacional de Medicina Legal (INML), responsável pela gestão da base de dados, interpreta de maneira diferente o conflito entre o CPP e a Lei n° 5/2008. Francisco Corte Real, vogal da sua direcção, defende que as autoridades judiciárias podem ordenar a colheita de amostras biológicas de suspeitos, à luz do CPP, desde que o façam sem o propósito de inserir os respectivos perfis genéticos na base de dados. Mas, como afirmou ao N admite interpretações divergentes e aguarda uma decisão definitiva do Conselho de Fiscalização da Base de Dados Genéticos.

Este conselho está a analisar a questão, neste momento, e conta dar a sua resposta brevemente, declarou ontem Simas Santos. Enquanto não o faz, o INML continua a colher amostras de ADN de suspeitos, quando o MJ lhas requer, apesar dos riscos de o Conselho de Fiscalização tomar uma decisão desfavorável e de os advogados virem a requerer a nulidade de tais provas.

All news